sexta-feira, 8 de junho de 2018

Portalegre - Campanha “Um Postal por um Ramal” Chegou ao Fim!

A Campanha “Um Postal por um Ramal”, lançada pelos Verdes no fim de janeiro, que visava recolher o apoio da população para a construção de um Ramal Ferroviário que ligue a Linha do Leste ao Parque Industrial de Portalegre, aproximando o comboio da cidade e facilitando deste modo o acesso às pessoas e às mercadorias, chegou ao fim.

Na próxima terça-feira, dia 12 de junho, ao final da tarde, Os Verdes irão entregar os cerca de 1500 postais assinados, recolhidos na cidade de Portalegre, ao longo de três meses, ao Secretário das Infraestruturas, Guilherme d’Oliveira Martins.




quarta-feira, 6 de junho de 2018

Os Verdes querem mais segurança para banhistas e antecipação da época balnear

Os Verdes apresentaram, na Assembleia da República, a 6 de junho de 2018, o seu Projeto de Lei que visa mais segurança para os banhistas.

Na sua intervenção inicial, Heloísa Apolónia no Parlamento, afirmou que esta iniciativa legislativa pretende antecipar a época balnear e assegurar assistência também em praias não concessionadas – por uma cultura de segurança nas praias, por mais segurança para os banhistas.


Também no âmbito da discussão deste Projeto, para implementação de medidas para um modelo de segurança mais robusto para os banhistas, o Deputado de Os Verdes José Luís Ferreira procedeu à intervenção final.



segunda-feira, 4 de junho de 2018

Os Verdes levam Parlamento a discutir segurança dos banhistas

Por iniciativa do Grupo Parlamentar de “Os Verdes”, a Assembleia da República discute no próximo dia 6 junho (4ª feira), o Projeto de Lei Nº 568/XIII/2ª de “Os Verdes” que visa antecipar a época balnear, e assegurar que em praias não concessionadas, mas efetivamente frequentadas por banhistas, o Estado assegura a contratação de nadadores salvadores para assistência aos banhistas.

O que “Os Verdes” propõem é que, tendo em conta as «normais» condições meteorológicas que Portugal costuma conhecer nos diferentes meses do ano, a época balnear deve mesmo ser antecipada, em todo o território nacional, para o dia 1 de abril; que o Estado assegure campanhas de sensibilização dos cidadãos para os perigos, sejam eles, no mar, ou em praias fluviais e lacustres e que em praias não concessionadas, mas efetivamente frequentadas por banhistas, o Estado deve mesmo assumir a responsabilidade de garantir segurança aos cidadãos contratando nadadores salvadores para proceder à assistência aos banhistas.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Petróleo em Aljezur - Heloísa Apolónia confronta António Costa

No debate com António Costa realizado no Parlamento no dia 23 de maio, Heloísa Apolónia aborda a questão da pesquisa de petróleo em Aljezur e afirma que é o Ministério do Ambiente que tutela a APA - Agência Portuguesa do Ambiente - e não contrário e, por isso, se há uma decisão errada da APA, ela deve ser revertida:

“Não vale a pena fingir que se trata de uma matéria técnica, é preciso assumir que se trata de uma matéria política. E o que o Governo está a fazer é calar as populações relativamente a um processo onde a democracia participativa deveria ter lugar”.

Heloísa Apolónia adianta que o PEV vai entrar na luta, ao lado das populações, pela reversão desta decisão.


sexta-feira, 18 de maio de 2018

Petróleo em Aljezur - PEV desafia o Governo a reverter a sua decisão

No debate de atualidade promovido pelos Verdes no dia 18 de maio no Parlamento, sobre a dispensa de avaliação de impacte ambiental para furo de prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, Heloísa Apolónia afirma que “O atual Ministério do Ambiente, tal como anteriores Ministérios do Ambiente, põe interesses económicos das grandes empresas, neste caso do consórcio ENI/GALP, acima da segurança ambiental, da segurança das pessoas e também dos instrumentos de política de ambiente”.

Na sua primeira intervenção, Heloísa Apolónia desafiou o Governo e o Ministro do Ambiente a reverter esta decisão a bem da transparência e da democracia em Portugal.


A Deputada ecologista, numa segunda intervenção, questionou o Ministro do Ambiente sobre a decisão de dispensar a realização de AIA para furo de prospeção de petróleo em Aljezur e afirmou que, atualmente, a lógica que se impõe é uma lógica de descarbonização da economia e da sociedade. 

Para Os Verdes, esta é uma questão eminentemente política e face às preocupações públicas levantadas, o Governo tem a responsabilidade política de empreender uma AIA. Dirigindo-se ao Ministro do Ambiente, Heloísa Apolónia conclui: “Voltar atrás na decisão é um sinal de inteligência e sensibilidade política e nós ainda esperamos isso de si”

Heloísa Apolónia conclui o debate afirmando que o Governo não se pode por à margem desta decisão política. Perante um erro da APA, o Governo deve alterar e corrigir esta decisão. A deputada ecologista salienta que o Ministério do Ambiente está a cair em descrédito no que se refere às políticas ambientais e que o Ministro demonstra não ter força política no Governo. Alerta, ainda, para os riscos para ambiente, para a segurança da população, da nossa costa, das nossas áreas protegidas.

 Heloísa Apolónia termina, dirigindo-se ao Ministro do Ambiente: “Está a subverter tudo e está a perder politicamente. O Sr. Ministro está a fraquejar politicamente. É esta a nota que Os Verdes hoje aqui deixam!”

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Prospeção de Petróleo - Verdes Agendam Debate de Atualidade

Tendo em conta a inaceitável decisão da APA (Agência Portuguesa de Ambiente) de dispensar de estudo de impacto ambiental a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur pelo consórcio Eni/Galp, Os Verdes agendaram para o Plenário de amanhã, 18 de maio, às 10:00h um Debate de Atualidade, onde o PEV pretende confrontar o Ministro do Ambiente com a decisão errada que é fundamental reverter.









segunda-feira, 14 de maio de 2018

Elvas - Os Verdes organizam Conversa Ecologista sobre "A Árvore em Espaço Urbano"

Os Verdes organizam no dia 17 de maio, em Elvas, uma Conversa Ecologista sobre “A Árvore em Espaço Urbano”, ou seja, a relação do espaço urbano com as árvores e os espaços verdes.

Esta iniciativa ocorre na sequência do anúncio da Câmara Municipal de Elvas do corte de 600 árvores, que só não se concretizou devido à imediata intervenção de Os Verdes.

Os Verdes promovem mais esta Conversa Ecologista, sobretudo para levar à reflexão de certas práticas em meio urbano desde o abate de árvores saudáveis, podas criminosas que fragilizam as árvores e levam à sua morte, até ao facto de não se escolherem as árvores adequadas aos espaços e climas nos quais vão ser plantadas.


Serão convidados todos os autarcas do distrito e técnicos com responsabilidade na matéria, assim como todos os interessados.

A Conversa Ecologista decorrerá em Elvas e contará com a participação da Engenheira Florestal, especialista com grande experiência profissional em árvores para espaço urbano, Cristina Moura, e de Manuela Cunha, dirigente Nacional de “Os Verdes”.

Convidamos assim os senhores e senhoras jornalistas para estarem presentes e a divulgarem a “Conversa Ecologista”, que terá lugar quinta-feira, dia 17de maio, pelas 18:00h, na Cafetaria do MACE.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Posição de Os Verdes sobre o Debate pela Igualdade de Género em Portalegre

Decorreu ontem, no Centro de Artes do Espetáculo de Portalegre (CAEP), uma iniciativa da associação “Clube Capazes”, sobre a igualdade de género e precariedade económica. Uma iniciativa cujo mérito à 1.ª vista parece inquestionável, mas face às notícias vindas a público na comunicação social nacional, Os Verdes questionam não só o objetivo como os critérios de financiamento público.

É que na realidade a promoção deste debate e de 3 outros similares no Alentejo custam ao erário público, através de financiamento comunitário, cerca de 73 mil Euros. Uma verba de valor bastante generosa, tendo em conta que promover um debate não é algo que acarrete custos tão elevados quanto isso, sobretudo se estes tiverem apoio das autarquias, como é aqui o caso, e tendo também em conta que associações que lutam pelos direitos das mulheres e pela igualdade de género, com provas dadas em Portugal ao longo de décadas e com projetos bem mais complexos e envolventes da comunidade e que visam deixar redes permanentes de intervenção no território, nomeadamente no Alentejo, foram contempladas com o mesmo valor.

Para além disso, Os Verdes não podem deixar de estranhar que esta Associação, Clube Capazes, só convide pessoas ligadas ao PS e BE.

Por parte de Os Verdes, não pondo em causa o legítimo apoio a iniciativas deste âmbito, questionamos, no entanto, os critérios subjacentes à escolha dos projetos e o valor de financiamento de cada um.

Por parte de Os Verdes o nosso empenho em prol da igualdade de género faz-se todo o ano. Participamos em debates em escolas públicas, por isso ainda este ano participámos num debate na Escola José Régio, em Portalegre.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Beja - Tertúlia ecologista e exposição de fotografia sobre os 35 anos do PEV

No âmbito das comemorações do seu 35º aniversário, o Partido Ecologista Os Verdes promove, sábado, dia 12 de maio pelas 18:00h, uma Tertúlia em Beja e inauguração da Exposição sobre os 35 anos de lutas ecologistas.

Estas iniciativas vão contar com a participação de Manuela Cunha, membro da Comissão Executiva Nacional do PEV.


Convidamos assim os senhores e senhoras jornalistas para estarem presentes e a divulgarem a “Tertúlia Ecologista”, assim como a inauguração da Exposição que terá lugar sábado dia 12 de maio, pelas 18:00h, na esplanada da Sociedade Filarmónica Capricho Bejense, sita na Rua da Moeda 10, 7800-464 Beja.

sábado, 28 de abril de 2018

NISA - Verdes denunciam existência de resíduos hospitalares a céu aberto

O Deputado José Luís Ferreira, do Grupo Parlamentar Os Verdes, entregou na Assembleia da República uma pergunta em que questiona o Governo, através do Ministério da Saúde, sobre a existência de resíduos hospitalares a céu aberto, durante as obras de construção do novo Centro de Saúde de Nisa.

Pergunta:

No âmbito das obras do novo Centro de Saúde de Nisa, cuja entidade promotora da obra é a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano, EPE, a decorrer junto ao atual centro de saúde, antigo Hospital da Misericórdia, desde o dia 23 deste mês, foram detetados resíduos hospitalares no local.

Os Verdes foram alertados pelos eleitos locais da CDU de Nisa, que através de fotografias que anexamos para conhecimento, demonstram os resíduos hospitalares que estariam enterrados no local, mas que após a intervenção das máquinas encontram-se agora dispersos pela área da obra, meio enterrados e meio a céu aberto.


Esta é uma situação grave de saúde pública e ambiental, que revela um grande incumprimento da legislação portuguesa relativa ao tratamento dos resíduos hospitalares, colocando em causa não só os trabalhadores da obra, mas todos quanto possam circular ali perto.

De acordo com a informação prestada, as obras no local não terão parado, revelando alguma negligência pela situação, de modo que consideramos que há um sério risco dos resíduos hospitalares agora detetados serem novamente enterrados, sem que haja o devido encaminhamento e tratamento dos mesmos.

Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, solicito a S. Exª O Presidente da Assembleia da República que remeta ao Governo a seguinte pergunta, para que o Ministério da Saúde possa prestar os seguintes esclarecimentos:

1 – Tem o Ministério conhecimento da situação relatada?

2 – Que medidas urgentes pondera o Ministério adotar para que estes resíduos sejam tratados devidamente, dando cumprimento à legislação?